7 passos para melhorar a segurança de dados bancários

Com o constante do meio virtual para a realização de transações financeiras, a segurança de dados bancários vem se tornando uma das maiores preocupações nos últimos tempos.

Para se ter uma ideia da importância da segurança cibernética, uma pesquisa realizada pela Gemalto apurou que 70% dos consumidores deixariam de fazer negócios com empresas vulneráveis à violação de dados.

Por isso, é fundamental garantir segurança no relacionamento com as instituições financeiras e na troca de dados bancários com clientes, parceiros e fornecedores.

Quer saber como melhorar esse aspecto na sua empresa? Entenda mais, a seguir!

A segurança de dados bancários nas instituições

Boletos bancários

Um grande volume de dados bancários pode ser gerado de diversas formas, como por:

  • Sistemas de gestão;
  • Programas de computador usados no banco;
  • Caixas eletrônicos;
  • Atendimento ao público nas agências;
  • Contatos com clientes feitos por telefone;
  • Aplicativos como o Internet Banking;
  • Tecnologias como Cloud Computing, Inteligência Artificial e Big Data.

Com tantos meios de geração de dados, é imprescindível cuidar da segurança. Na prática, essa proteção funciona principalmente por meio de tecnologias digitais e parcerias com empresas de segurança da informação.

Hoje, já podemos ver diversas soluções aplicadas no combate a fraudes, roubos e demais crimes cibernéticos no contexto das transações financeiras. Algumas das principais são:

  • Cartões com senhas que se alteram a cada acesso do usuário no sistema bancário;
  • Tokens, que geram diferentes senhas periodicamente;
  • Chaves de segurança, com uma sequência de letras e números aleatórios que serve para identificar o usuário das operações;
  • Tecnologia blockchain, que impede adulteração e fraude nas transações financeiras.

Mas, além dessas soluções, é essencial que sua empresa tome algumas medidas para melhorar ainda mais a segurança de dados bancários. Veja o que pode ser feito!

7 passos para garantir a segurança de dados bancários

1. Gestão de Identidades e Acessos

A solução IAM – Identity and Access Management – tem como objetivo delimitar e monitorar o acesso a dados, sistemas utilizados pela empresa e transações realizadas.

Por exemplo, um funcionário só teria acesso a determinado dado conforme o seu cargo ou a atividade que desempenha correspondente àquela informação.

Assim, a Gestão de Identidades e Acessos permite habilitar apenas os indivíduos corretos para lidar com os dados, levando-se em conta os motivos e o processamento dos mesmos.

2. Política de boas práticas internas

Outro passo importante para garantir a segurança de dados bancários é criar uma forte política interna. Muitas vezes, o erro ou descuido humano é o maior responsável pela ocorrência de golpes cibernéticos. Por isso, é fundamental orientar os funcionários.

Algumas boas práticas podem ser o suficiente para uma maior segurança, como não abrir e-mail com remetentes ou conteúdos suspeitos, não clicar em links, arquivos e programas de origem duvidosa e utilizar antivírus em dispositivos externos, como pendrives e HDs.

3. Criptografia de todos os dados

Todas as transações financeiras devem contar com criptografia para proteção dos dados, sobretudo para as movimentações feitas no meio digital. Quando as informações entre o banco e a empresa são criptografadas, elas são codificadas de modo que apenas as partes envolvidas na transação tenham acesso à decodificação.

4. Softwares de proteção virtual

Uma ação que também não pode faltar é a instalação de softwares de proteção virtual, como antivírus, antimalwares e firewalls. Uma boa prática é usar programas em conjunto para aumentar o nível de segurança.

5. Atualização do sistema operacional

Também não se esqueça de que é crucial utilizar programas originais e mantê-los atualizados. Todos os dias milhares de vírus são criados e, por isso, manter a atualização é fundamental para garantir a detecção de novas ameaças.

Além dos softwares de proteção, o seu sistema operacional também deve estar sempre atualizado, assim como os programas de navegação utilizados por sua empresa. Tudo isso ajuda a corrigir falhas e aumenta os mecanismos de segurança.

6. Uso de terminais confiáveis

Para melhorar a segurança de dados bancários, use apenas terminais confiáveis. Nada de computadores públicos, como lanhouses; nem redes wi-fi públicas, como a de aeroportos. Isso pode facilitar o acesso às suas operações por pessoas mal-intencionadas.

Escolha também provedores confiáveis, que ofereçam boas políticas e  sejam de empresas que tenham comprometimento com a segurança digital.

7. Adoção de integração bancária

Por fim, um passo importante é adotar uma integração bancária. Uma solução como essa melhora a troca de dados financeiros entre empresas, clientes e parceiros.

Além disso, otimiza os processos da cadeia de suprimentos e integra as transações, como pagamentos, cobranças, fluxo de caixa e extratos bancários, entre outros.

O Skyline, da Nexxera, é uma solução especializada no setor. Trata-se de um meio seguro para a troca eletrônica de informações entre diferentes plataformas e softwares.

Quer conhecer mais sobre essa solução? Entre em contato para saber como podemos ajudar na segurança de dados bancários da sua empresa!

Sem categoria 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *