C-Levels: quais são os significados das siglas dos cargos?

Você sabe o que é um C-Levels? Para quem não sabe, as siglas estão vinculadas aos cargos de liderança nas grandes companhias. Costumeiramente iniciadas pela letra “C”, essas posições fazem parte do C-Level, ou também C-Suite.

Os dois são termos usados para designar de forma coletiva esses executivos seniores de hierarquia mais alta. A menção ao “C” significa chief que na Língua Portuguesa significa “chefe”. Tratam-se dos postos existentes no topo do escalão. Por esse motivo, eles são considerados os mais influentes.

No universo corporativo atual, é possível ouvir inúmeras siglas quando os colaboradores se referem aos altos executivos de uma determinada empresa de grande porte. Quem nunca escutou os funcionários chamarem um CEO, ou um CFO e ainda um COO? A citação é tanta a ponto de muitos desses trabalhadores ficarem confusos e sem saberem o real significado da sua respectiva função. E a coisa complica ainda mais porque essas combinações estão associadas às boas práticas de governança corporativa.

Devido à importância desses cargos, os ocupantes de algum C-Level precisam estar afinados para aplicar as boas práticas de governança corporativa. Ao aplicar essas condutas, é possível saber para que elas servem e como impactam numa determinada empresa.

C-Levels e boas práticas 

 As boas práticas de governança corporativa são princípios básicos em recomendações objetivas para alinhar interesses em uma companhia. A finalidade é preservar e proporcionar um valor econômico mais eficiente na empresa de longo prazo. As referidas condutas facilitam o acesso aos recursos e contribuem para a qualidade da gestão da organização, a sua longevidade e o bem comum da corporação.

C-LevelsAs boas práticas na governança corporativa são extremamente essenciais porque garantem um aumento da confiança das partes interessadas em relação a uma companhia. Nessa lista, estão os investidores, os acionistas, os fornecedores e também os colaboradores. Para isso, os C-levels se baseiam em princípios de transparência e em mecanismos que proporcionem melhor desempenho econômico. As medidas são geralmente conduzidas por esses altos executivos. Conheçam a função de cada um deles.

 CEO (Chief Executive Officer) 

É o diretor-executivo. Fica como o responsável máximo pela gestão e direção administrativa da corporação. Pode ser considerado como um pilar da empresa, pois atua como fundador e quem organiza o propósito, a visão e a missão da empresa. Também fica responsável por conectar o negócio com o mercado. Costuma ter a última palavra sobre as decisões de orçamentos e investimentos. Direciona as estratégias da companhia para alcançar as metas. Pode ser definido como um líder porque guia toda a equipe, remove obstáculos e garante os recursos.

 

COO (Chief Operating Officer) 

Trata-se do diretor de Operações. Supervisiona como funciona o sistema de criação e distribuição dos produtos para garantir que todos os setores funcionem bem. Em muitos casos, atuar como COO serve como um verdadeiro treinamento para o posto de CEO. Torna-se um caminho natural porque o COO já entende a missão e os objetivos da companhia. Na prática, é um braço direito do CEO. Entre suas funções, está o de implementar práticas de orientação e monitoria junto aos colaboradores.

 

CFO (Chief Financial Officer) 

Atua como um diretor financeiro. Fica encarregado pelo planejamento econômico e financeiro da empresa. É o executivo que decide o investimento, o financiamento e o risco com objetivo de ampliar o valor da companhia para os proprietários – acionistas ou sócios. Possui um alto conhecimento financeiro, contábil e conta com uma visão analítica do negócio. Em muitas situações, vira um conselheiro de assuntos estratégicos para o CEO. Sua função, em muitos casos, é o de encontrar novas oportunidades de negócios e avaliar riscos financeiros.

 CIO (Chief Information Officer) 

 Fica responsável pelos sistemas de tecnologia da informação da companhia no nível de processos e do ponto de vista do planejamento. Avalia os benefícios da empresa para aproveitar as novas tecnologias, identifica quais deles interessam à empresa e avalia seu funcionamento. Fica a cargo de melhorar a eficiência dos processos internos com intuito de proporcionar uma comunicação efetiva. Mantem a organização em funcionamento de maneira eficiente e produtiva. 

CTO (Chief Technology Officer) 

Responsável técnico do desenvolvimento dos sistemas de informação a partir da ótica da execução. Fica a cargo da equipe de Engenharia e de implementar a estratégia técnica para melhorar o produto final. O cargo pode ser confundido com o CIO. A diferença está porque o CTO está com a estratégia tecnológica orientada a melhorar o produto final. 

CMO (Chief Marketing Officer) 

Cuida das atividades de Marketing. As ações incluem a gestão de vendas, o desenvolvimento de produtos, a publicidade, os estudos do mercado e o atendimento ao cliente. Sua principal preocupação é manter a relação estável com os clientes finais para se comunicar com todos os demais departamentos para se envolverem nessas ações.

 CCO (Chief Communications Officer) 

É encarregado de administrar a reputação corporativa, contatar os meios de comunicação representando a empresa e desenvolver as estratégias de Branding Content. Costuma conhecer bem os meios do setor. Conta com uma boa relação com os veículos de comunicação para a marca ter uma boa e positiva visibilidade. Sempre que possível, tenta relacionar a reputação com mensagens positivas. O CCO deve desenvolver sua gestão da comunicação para a imagem corporativa seja boa e favorável.

Agora, que você já sabe tudo sobre cargos e boas práticas é importante ressaltar que cada vez mais os altos executivos de grandes empresas precisam estar preparados para os desafios da economia digital e necessitam de ferramentas automatizadas para se adaptar às novas exigências.

Não deve ser novidade para você, mas as empresas estão automatizando cada vez mais seus processos, e quem não acompanha essa evolução fica uns passinhos para trás. A Nexxera tem diversos produtos para automatizar os processos financeiros da sua empresa. Um deles é o AEN, uma ferramenta para automatizar os processos e ganhar tempo na análise dos dados.

Você quer ter acesso a muito mais conteúdo?  E só continuar acompanhando o nosso blog.

Sem categoria, Tecnologia e inovação , , 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *