Como se prevenir de fraudes em boletos bancários

Sarah SilvaFoi descoberto recentemente um malware que ataca boletos bancários e altera os códigos de barras com o objetivo de desviar o pagamento para uma conta alheia, mantida por criminosos. A descoberta foi feita por uma das empresas líderes em desenvolvimento de softwares antivírus no mundo, Bitdefender. A fraude foi tão bem planejada que até mesmo as pessoas que não têm o hábito de fazer o pagamento de boletos online podem ser vítimas do golpe. O malware se instala direto no sistema que gera o boleto, alterando o código com a inserção de alguns espaços extras que não existiam antes. Com isso, o leitor do caixa eletrônico não reconhece a sequência, obrigando o usuário a digitar manualmente todos os números e as informações do pagamento. É nesse momento que o dinheiro é desviado para uma outra conta. Mas esse perigo não é novidade. Em meados de 2013 foram identificados os primeiros vírus que executavam fraudes em boletos bancários impressos a partir da web. Esse tipo de código, que recebeu o nome de “bolware”, não altera boletos de um site específico, mas ataca páginas com a palavra “boleto” e que tenham uma linha digitável. A partir dela, a praga virtual altera o código do documento, modificando a conta em que o valor será depositado. Ou seja, gera um prejuízo para ambas as partes envolvidas: quem pagou não quita sua dívida, e a empresa que deveria receber fica a ver navios. Para evitar problemas como esse no recebimento, vale a pena investir em soluções de cobrança eletrônica que emitam boletos apenas no formato pdf. Isso porque os documentos disponibilizados em páginas html são mais vulneráveis, ou seja, é fácil para os hackers alterarem os códigos de barra e aplicarem as fraudes. É importante que os bancos e empresas de pagamento também recomendem que os seus clientes tenham cuidado ao abrir essas páginas. Deve-se evitar abrir os boletos com o navegador Internet Explorer, porque um dos processos usados para captura do conteúdo só funciona por este navegador. Também é fundamental manter o antivírus, os navegadores, os plugins de Java e Flash e o sistema operacional atualizados. Além disso, vale checar se o código do banco confere com o logotipo da instituição financeira. É bom tomar cuidado com códigos de barra mal gerados – geralmente eles têm espaçamentos incomuns ou falhas. Além disso, não podem ser lidos automaticamente. Com algumas boas práticas de segurança, os usuários conseguem se prevenir de fraudes em boletos bancários. As soluções de pagamento eletrônico estão avançando nesse sentido e podem ser ótimas opções para enfrentar esses tipos de problema. Por Sarah Silva, diretora de marketing do Grupo Nexxera

Soluções Financeiras 0 Comments

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar

wpDiscuz